#recuse

 “A simplicidade nos liberta dessa mania moderna, trazendo sanidade à nossa extravagância compulsiva e paz ao nosso espírito frenético.” Richard Foster

Um gentil: “Não obrigado.” É como eu gosto de me referir a este segundo e poderoso “R”. Mas, como recusar quando se está imerso na cultura do mais, a cultura do acúmulo? Esta é uma pergunta difícil de responder.

Quem não sente aquele prazer gostoso em comprar? Pronto falei! Por mais que eu tenha esperanças em me considerar uma ex-consumista, preciso encarar a realidade e viver de forma coerente com ela.

Como um adicto, comprar pode ser uma droga que nos traz muito prazer e, eu prometo tentar não entrar aqui em questões mais profundas (mascaradas pelo capitalismo impregnado em nós). Comprar já foi para mim uma válvula de escape que me permitia “esquecer” por um momento dos problemas. Por isso, sempre que este desejo aparece, e ele aparecerá, estou diante de uma oportunidade de me auto-conectar.

A partir desta auto-conexão tenho a possibilidade de, entre outras coisas, encontrar a “ativista ambiental” que habita em mim! Eu me conheço, portanto, sei que não devo me expor tanto às tentadoras vitrines, aquele inocente passeio no shopping. Sério, é melhor evitar.

Recusar é literalmente puxar o freio de mão quando o assunto são as compras.

Uma ótima dica para que esse “R” se estabeleça na sua vida é saber muito bem o que você tem dentro de casa (e em outros ambientes que você “habita”), e aqui me refiro aos objetos: roupas, calçados, acessórios, perfumes, maquiagem, produtos de higiene pessoal, de limpeza da casa, comida na despensa, comida na geladeira, livros, objetos especiais… Coisas que você valoriza.

Um bom “RECUSADOR” é geralmente uma pessoa organizada, ou que pelo menos tenta. Se você tem dificuldades com organização comece por partes. Organize um cômodo, ou uma “área” da sua vida. Por exemplo: Comece pelo banheiro. Separe um tempo para abrir as portas e gavetas, coloque tudo pra fora e veja o que você guarda lá. Não se espante se encontrar um estoque de sabonetes no fundo do armário (e você continua comprando barras novas todo o mês!). É possível que não precise comprar um condicionador novo por meses (ou só no ano que vem)!

Uma vez feito, insira no seu planejamento, quando será a próxima vez que esta “visitinha” especial aos armários do banheiro acontecerá novamente. Sim, a cada 6 meses é uma boa dica (janeiro e julho?).

LISTAS, esta é mais uma boa dica para os futuros recusadores. Uma vez que você toma consciência daquilo que tem, coloque no papel, ou no bloco de notas do celular, as coisas que estão faltando. E não vá às compras SEM elas, por favor. Tenha objetivos claros. Lembre-se do trabalho que foi “organizar as gavetas do banheiro” e que você não tem tempo, nem dinheiro para jogar fora, MUITO MENOS, recursos especiais do planeta (agora fui na veia!).

Mas recusar não se refere apenas aos bens-materiais. Recusar tem mais a ver com um estilo de vida. Recusamos uma agenda lotada de eventos, onde você não tem qualidade de tempo com ninguém. Recusamos conversas que não constroem nada de bom. Recusamos ações (atividades) que nos expõem a conteúdos que não são coerentes com o bem-estar integral do planeta. Pronto resumi!

(Para saber mais sobre os 5 Rs do movimento Lixo Zero, confira esse vídeo no nosso canal do Youtube)

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.