QUERIA TANTO…

QUERIA TANTO…

Uma das grandes responsáveis pela futura produção de lixo na sua e na minha casa é a mídia. Escolhi introduzir este assunto desconfortável começando pela parte “mais fraca” da casa, as crianças.

Você conhece o conteúdo que os seus filhos estão recebendo através das mídias?

Aqui em casa percebemos que quando nosso filho mais velho assistia os canais à cabo de programação infantil ele vivia exposto a um mundo de ofertas e propagandas muito envolventes. Ouvíamos mais de uma vez ao dia: “Pai, mãe, eu queria tanto…”

Isso sempre me incomodou! Meu filho não tinha e ainda não tem a menor condição de assimilar todas aquelas informações. Não foi à toa que, (antes tarde do que nunca!) em abril de 2014, o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente considerou abusiva toda publicidade direcionada à crianças. De acordo com o Código de Defesa do Consumidor (art. 37) é abusiva, entre outras, “a publicidade que se aproveite da deficiência de julgamento e de experiência da criança ou que seja capaz de induzir o consumidor a se comportar de forma prejudicial ou perigosa à saúde”. Saiba mais aqui.

Anos antes, em 2008, Estela Renner, denunciou aquilo que muitos faziam vistas grossas, através do documentário “Criança, a alma do negócio”, trazendo a reflexão sobre como as mídias impactam na formação de crianças e adolescentes. Você sabia que apenas 30 segundos são necessários para uma propaganda influenciar uma criança? Essa informação é ainda mais assustadora quando pensamos que grande parte das crianças ficam horas na frente da TV! Vale a pena assistir o documentário que está disponível no Youtube.

As crianças de hoje tem preferido comprar a brincar!

PARA TUDO! Tem alguma coisa muito errada.

Nossa família tem se esforçado para se livrar desse tipo de lixo também. Aqui em casa definimos um limite máximo de 2 horas por dia de eletrônicos (TV, Internet, Celular…). Na TV preferimos os DVDs e o Netflix (supervisionado, claro) pelo simples fato de não terem propaganda. Celular e Tablet eles não usam, apenas na casa dos avós.

Os “Queria tanto…” que ouvimos agora, em geral, têm a ver com os brinquedos que os amigos tem. E aí surgem as oportunidades para muitas conversas, ensino e inclusão dos pequenos nesta nova, longa e desafiadora jornada.

Além disso, gostamos muito dos jogos de mesa, dos brinquedos de montar, quebra-cabeças… Envolvem toda a família, são ideais para nos conhecermos melhor, olharmos uns nos olhos do outro, ensinar a resolver conflitos e, a brincar… Afinal, a criança não quer o brinquedo, ela quer mesmo é a brincadeira!

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.